Início > Pense Nisso!, Período 2º > Adote uma criança! Financeiramente…

Adote uma criança! Financeiramente…

26 de Agosto de 2009 Deixe um comentário Go to comments

Fala pessoal. Eu estava ontem de madrugada assintindo um seriado quando apareceu uma propaganda da Fundação Abrinq que apresentava, ao final, a campanha “Adote Financeiramente uma Criança”. Que beleza! Mais um tema que envolve moralismo e economia, um prato cheio para um texto!

Pra começar, quando eu ainda estudava Relações Internacionais, a minha professora de Ciência Política Moderna chamada Susan Lewis iniciou uma discussão sobre doação de maneira geral. Durante o debate, ela ou outro aluno disse a seguinte frase que não sai da minha cabeça: “Doação é ironicamente egoísta. Você não pensa na ajuda gerada ao próximo, mas sim gosta da prazeirosa sensação que a doação fornece para você”. É, extremista, radical e polêmico, justamente os adjetivos que associo ao lembrar de Susan e suas aulas.😛 Não tenho nenhuma base psicológica ou social para defender ou anular esta afirmação, mas sei que é possível que “lá no fundo”, este seja mesmo o objetivo quando você liga para o Criança Esperança. Talvez seu moralismo e outras ideologias façam que você acredite que o que você está fazendo é puramente em prol do próximo quando, na verdade, você está pensando apenas no bem causado a você próprio.

Tá, e ai? Bom, vamos considerar que, de fato, você faz doações apenas para satisfação pessoal, então adotando uma criança você irá usufruir desta sensação enquanto não precisará se comprometer com o desenvolvimento emocional da criança. Assim, ela terá apoio financeiro para aumentar seu próprio capital humano e, assim, ter potencial para viver financeiramente independente. Por outro lado, o governo gastará menos para sustentar aquela criança e, em certo prazo, ganhará mais um trabalhador qualificado, gerador de renda para o Estado.

Na prática, é uma política de transferência de renda que normalmente é feito pelo  governo, a diferença é que esta transferência é feita por livre vontade do contribuinte. No fim, todos saem ganhando: o doador recebe uma massagem no ego, a criança ganha liberdade financeira e o Estado perde um menor que gera despesas para ganhar um trabalhador que gera bens e serviços para a sociedade. É o que o liberalismo econômico chama de “soma positiva” ou, como é dito na língua inglesa: “win win“.

  1. 12 de Agosto de 2016 às 8:12 PM

    Quero vender meu rim . urgente.

  2. luiz carlos
    31 de Julho de 2016 às 6:57 PM

    Tenho 45 anos sou do tipo b+ e vendo um rin ..

  3. Douglas
    28 de Março de 2010 às 9:55 PM

    Concordo plenamente com Cesar Pinho, muito importante doar e mesmo que seja só para pensar que fez sua parte, as crianças receberam o beneficio de qualquer jeito.

    Para quem quer adotar uma criança financeiramente, va no site da Abrinq, salve uma criança

  4. Cesar Pinho
    4 de Fevereiro de 2010 às 8:59 AM

    Quem doa ou ajuda pode ou não nao ter o mérito da ação.

    Para quem é ajudado, porém, isto não faz nenhuma diferença: o bem recebido é tudo o que conta.

    Além disso, aquele que questiona o valor moral da caridade provavelmente mudaria de opinião, caso o necessitado fosse ele próprio.

  5. rodrigo cabral
    28 de Agosto de 2009 às 9:46 PM

    Massageiem seu ego, me adotem financeiramente!

    Rodrigo Cabral G. Torres
    19 anos

    Contato:(81) 3228-6356

  1. 6 de Junho de 2014 às 3:02 AM

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: